17 de Abril de 2018 às 08:44

Justiça reconhece vínculo empregatício de terceirizada do Itaucard

Vitória

Ao julgar o processo nº 0000806-81.2015.5.05.0022, a 1ª Turma do Tribunal Região do Trabalho da 5ª Região (TRT5-BA) reconheceu, por unanimidade a ilicitude da terceirização realizada pelo Banco Itaucard e, consequentemente, a existência de vínculo empregatício da autora, reformando a sentença da 22ª Vara do Trabalho de Salvador. Da decisão cabe recurso. 

A reclamante sustentou que exerceu, desde a sua admissão, a função de atendimento aos cartões de crédito do Citibank e Citicard, sendo essa última empresa sucedida pelo Itaucard, quando passou a atender também aqueles cartões. Afirmou, ainda, que o banco não possui nenhum empregado para atender aos clientes de cartão de crédito, sendo todos esses serviços terceirizados. 

Outra ré no processo, a Contax Mobitel S.A., alegou que a Lei 13.429/2017 (Lei da Terceirização) autoriza a terceirização de serviços específicos, de acordo com os objetos contratados, eliminando os conceitos de atividade-fim e atividade-meio. Já o Banco Itaucard alegou ser lícita a terceirização do serviço de call center. Salientou ainda que as atividades estavam ligadas a telemarketing e que a funcionária nunca exerceu funções típicas de empregados bancários. 

A 1ª Turma esclareceu, primeiramente, que não se pode aplicar a legislação atual no que se refere ao caso, uma vez que a autora ingressou com a presente ação antes da vigência da lei. Quanto à alegação de que a atividade da autora estaria ligada a telemarketing, o próprio preposto do Citicard afirmou “que a empresa oferece a seus clientes os seguintes serviços: parcelamento de faturas, crédito pessoal, pagamento de contas debitando da fatura de cartão de crédito estorno de encargos, retenção de cartão, descontos de anuidade, emissão de segunda via, emissão de cartões e senhas, inclusão de dependentes, alterações cadastrais de clientes; que estas eram basicamente as atividades desenvolvidas pelo call center da Citicard". 

Com estas declarações, tornou-se claro que sem a mão de obra fornecida pela Contax não seria possível a concretização dos fins sociais do Banco Itaucard, qual seja, a emissão e administração dos cartões de crédito. Tratava-se, portanto, de atividade essencial para o funcionamento empresarial do Itaucard e não de atividade-meio. 

A 1ª Turma entendeu então que as atividades desempenhadas pela autora não poderiam ser terceirizadas por empresa de telemarketing, pois se caracterizam como essenciais para a execução da atividade-fim do Banco Itaucard. 

Fonte: TRT5, com edições da Contraf-CUT

Convênios saiba +

Clube de campo saiba +

Jogos/ Resultadossaiba +

Entre em contato

  • Edvaldo Franco Barros

    Edvaldo Franco Barros

    Presidente

  • Carolina Areco Lopes

    Carolina Areco Lopes

    Suplente do Conselho Fiscal

  • João Chaves dos Santos

    João Chaves dos Santos

    Suplente do Conselho Fiscal

  • Ana Lúcia Barbosa dos Santos

    Ana Lúcia Barbosa dos Santos

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Patrícia da Silva Soares Bilac

    Patrícia da Silva Soares Bilac

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Andréia Silva de Souza

    Andréia Silva de Souza

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Cristiane Ferreira Rocha Abdo

    Cristiane Ferreira Rocha Abdo

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Marcley Telles Moura Amaral

    Marcley Telles Moura Amaral

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Márcia Aparecida Barbosa de Lima

    Márcia Aparecida Barbosa de Lima

    Suplente da Diretoria Administrativa

  • Heleny Sanchik de Souza

    Heleny Sanchik de Souza

    Suplente da Diretoria Zonal

Parceiros